• Quemviaja

Buenos Aires - dicas e roteiro para quatro dias

Atualizado: Set 12



Buenos Aires é, já há muito tempo, uma das queridinhas dos brasileiros quando se trata de viagens internacionais, sendo em grande parte dos casos o primeiro destino internacional de muitos de nós. No passado, isso se devia sobretudo à desvalorização do peso argentino em relação ao real, situação que não se repete nos dias de hoje.


Deixando de lado todas as discussões que giram em torno da questão do câmbio, que já não são novidade para ninguém, não é difícil cravar que Buenos Aires é, sem dúvidas, para quem ainda não foi, a melhor opção de viagem internacional com custo relativamente baixo na América do Sul. O guia quanto custa viajar, por exemplo, menciona um custo médio de R$ 113,00 por dia, incluindo hospedagem, transporte, alimentação e atrações.


Vale dizer que esse custo é estimado. Eu (Robson), por exemplo, estive em Buenos Aires em 3 ocasiões e R$ 113,00 por dia é apenas um pouco abaixo do que costumo pagar com hospedagem, que geralmente fica por volta de R$ 150,00 em um Airbnb no bairro de Palermo.


Tudo depende do tipo de viagem que você quer fazer. Normalmente, por uma questão de conforto, acabo optando por alugar um apartamento, no lugar de ficar em um albergue ou hotel. Isso me possibilita melhores opções de localização e preços próximo dos principais meios de transporte e traz também a chance de economizar em algumas refeições (como café da manhã e jantar, a depender do planejamento do dia).


Seguindo o raciocínio, gostaria de adiantar um pequeno ponto que (na minha opinião) é essencial no planejamento de uma viagem à Buenos Aires: não importa o que você leu, ouviu ou viu, o melhor bairro para ficar em Buenos Aires é Palermo. Explico abaixo.


Palermo é um bairro multifacetado que tem tudo, tudo mesmo, dos parques aos melhores bares e restaurantes da cidade, com o super bônus de ter uma linha de metrô que o corta quase que integralmente. Se você conseguir hospedagem próximo às estações Palermo ou Carranza não deverá ter problema algum para chegar às principais atrações de da cidade, que - quase todas - ficam localizadas no Centro, Recoleta ou no próprio Palermo.


Partindo disto, aí vai a nossa sugestão para uma viagem de final de quatro dias, considerando a chegada à Buenos Aires numa quinta-feira pela manhã e o retorno no domingo, ao final do dia:


Dia 1: Centro Histórico


Considerando que a maior parte dos brasileiros que vão à Buenos Aires deixam para fazer o câmbio ao chegar na Argentina, nossa proposta de roteiro começa, ainda na manhã do Dia 1, na Calle Florida e arredores, talvez o melhor lugar para comprar pesos em Buenos Aires (se souberem de algum outro lugar melhor, compartilha com a gente nos comentários!), icônico pela quantidade de pessoas literalmente vendendo moeda ao longo das ruas.


Eu duvido muito que o grito de "cambio, cambio, cambio, cambio" irá sair da sua cabeça até voltar ao Brasil!


Pois bem, uma vez de posse dos seus valiosos pesos, nossa sugestão é aproveitar que já está no Centro e conhecer durante o dia as principais atrações por lá mesmo. As principais são a Plaza Mayo, Casa Rosada, Cabildo, Centro Cultural Kirchner, a própria Calle Florida, Galerias Pacifico, Café Tortoni, Obelísco e o Teatro Colon.



Para a noite, como ainda é quinta-feira, sugerimos, a depender do perfil de cada um, sair para jantar ou ir a algum barzinho em Palermo mesmo. Se estiver procurando por um lugar mais descontraído, nossa dica é encontrar algum barzinho legal na Plaza Serrano. Acredite, não vai ser difícil pois o lugar está tomado por restaurantes e bares para todos os tipos de bolsos e gostos.


Obs: para chegar ao Centro de metrô partindo de Palermo basta pegar o metrô da Linha D em um dos terminais e descer na estação Catedral ou 9 de Julio.


Dia 2: Puerto Madero, Caminito e La Bombonera


No dia 2 a nossa proposta é ir para a parte mais distante da cidade, porém, depois de um café da manhã em um dos vários cafés de Palermo, começando novamente pelo Centro, na região do Puerto Madero.


Considerando a distância de Palermo ao Caminito, a ida ao Centro polpará alguns valiosos pesos que poderão ser utilizados para outro fim. Nessa linha, a dica é pegar o metrô como quem vai para a Plaza de Mayo e de lá caminhar alguns minutos até o Puerto Madero e aproveitar para almoçar por lá mesmo.


Saindo do Centro e, no caso deste roteiro, de Puerto Madero, a forma mais fácil que conhecemos de chegar ao Caminito, que fica no bairro La Boca, é de táxi/uber. Uma vez no Caminito, que é um dos principais pontos turísticos de Buenos Aires, você também não terá dificuldades de chegar à Bombonera.



A dica para a noite do dia 2, que é uma sexta-feira, é jantar no Don Julio, a melhor parilla que eu já comi ao longo dos meus 28 anos de idade, e depois, se tiver folego, esticar para um bar ainda em Palermo.


Uma alternativa, caso não se importe, é voltar ao Puerto Madero e jantar em algum restaurante legal. A maior parte, de fato, é um pouco cara, mas dá pra comer tranquilo sem precisar financiar o pagamento. Aqui é possível acrescentar ao passeio também uma ida ao Cassino Puerto Madero. Embora tenhamos ido e não tenhamos gostado, considero que a experiência vale.


Dia 3: Palermo e Recoleta


Esse é um dia para começar nos parques em Palermo e terminar em um dos bares ou restaurantes do Centro Cultural Recoleta, um dos nossos lugares favoritos de Buenos Aires.


Recomendamos sair bem cedo e iniciar a caminhada na Plaza Itália e depois seguir caminho a pé ou de táxi até o Parque 3 de Fevereiro, que é um dos lugares mais bonitos de toda Buenos Aires. Uma vez com as fotos tiradas, nossa sugestão é ir direto para o Museu de Arte Latinoamericano de Buenos Aires (MALBA).


Saindo do MALBA, depois de comer algo fácil para não perder tempo, a dica é pegar um táxi/uber até a Faculdade de Derecho, onde está a Floralis Genérica e que fica bem de frente para o Museo Nacional de Bellas Artes, seus próximos destinos, nessa ordem.


A ideia é que você esteja saindo do Museo Nacional de Bellas Artes por volta do meio para o final da tarde, exatamente na hora de andar pela feira que estará acontecendo e de dividir alguns petiscos em um dos restaurantes ao redor da praça do Centro Cultural Recoleta (onde também está localizado o Cementerio de la Recoleta) ou no próprio Centro Cultural Recoleta, que provavelmente estará cheio de gente aproveitando o fim de tarde.


Se der para estender na Recoleta, a dica para a noite é esticar por lá mesmo. Se não, vá jantar no Don Julio ou no Puerto Madero, dependendo do que tiver feito na noite do dia 2.


Dia 4: Feira de San Telmo


Bom, considerando que é domingo e você está em Buenos Aires, não há outra opção se não sair logo após o café da manhã em direção à feira de San Telmo, outro lugar maravilhoso na capital argentina repleto de arte, história e boa comida. Há opções super interessantes para comprar quadros e objetos de decoração em geral. Se sobrar algum dinheiro, recomendamos almoçar na própria feira.


Esse é o nosso primeiro roteiro compartilhado e espero que tenham gostado. Há alguns (vários) pontos turísticos omitidos e isso talvez (com certeza) se deva ao nosso jeito de viajar, mas acredito que, se seguido, proporcionará uma ótima experiência nesta cidade maravilhosa. Em breve nós compartilharemos outras opções de roteiros, para mais ou menos dias, além de um post específico sobre os pontos turísticos que mencionamos ao longo desse post.


Se tem alguma outra dica, compartilha com a gente!


Siga @blogquemviaja | https://www.instagram.com/blogquemviaja